O Caminho Saturniano da Realização

O Caminho Saturniano da Realização 2017-10-08T19:12:38+00:00

As observações a seguir são especialmente escritas para os membros que queiram atingir um Grau mais alto na Loja. É necessário estar claro que a Ordem exige uma atitude espiritual precisamente definida, sobre a qual devem se decidir sem hesitação. Muito embora, de acordo com a Lei do Novo Aeon – “Faz o que tu queres”, o que também significa “pensa e acredita no que tu queres” –, ninguém possa ser forçado a obedecer a essas diretrizes, é certo que a sabedoria mais elevada somente poderá ser adquirida se a pessoa se libertar do lastro de suas crenças religiosas anteriores, que, em sua maioria, são baseadas apenas em tradições sugestivas, que não resistem à crítica adequada.

Para o Neófito da Loja, estas instruções devem apenas apontar o caminho, por enquanto. Qualquer amadurecimento espiritual requer tempo.

O caminho que o esoterista que serve ao Demiurgo Saturno deve trilhar é, sem dúvida, um caminho de realização, que não é fácil. Ele leva a picos muito altos na capacidade humana de realização, ao ponto da quase total solidão de pensamento, mas também o liberta e o torna imune às muitas sugestões inibitórias que inundam o mundo. O alcance desses picos torna o ser humano espiritual, sem dúvida, muito isolado, mas ele será muito feliz em sua solidão por opção, porque, em um sentido espiritual, não precisará mais da humanidade indiferente.

Sua educação anterior, seus estudos de ocultismo e o desenvolvimento sistemático de sua personalidade sobre uma base energética, em razão da observância do princípio do Amor sem Piedade, o fizeram trilhar caminhos que estão longe dos vales e das largas rodovias pavimentadas.

Ele tornou-se duro consigo mesmo, um ser humano solitário que anda decidido por este caminho. Quanto mais alto ele sobe, mais seus pés tornam-se confiantes, e as profundezas do abismo deixam de aterrorizá-lo. Ele veste o manto de um sacerdote de Saturno e cobre-se de silêncio ao encontrar-se com a compacta maioria das massas ignorantes.

A forte corrente da Irmandade a que pertence é suficiente para ele. A seriedade Saturniana, a habilidade de concentração que pode adquirir, a capacidade de observação crítica e a habilidade da intuição Uraniana tornarão possível que solucione em seu favor os problemas que vier a encontrar. Cada vez mais, ele se libertará dos vínculos de restrição que impedem o seu contínuo progresso espiritual.

Os ensinamentos usuais da Igreja e da Religião não lhe significam mais nada. Para ele, não há um Deus personificado, nem importa a doutrina do Cristianismo. Também com relação a outros ensinamentos religiosos, como os do Budismo, ele se tornou absolutamente imune. Sua concepção de Deus, baseada em uma visão de mundo puramente Cosmosófica e Cosmogônica, lhe é suficiente. A divindade como Absolutum ou Ponto Zero de energia, não importa de que forma é chamada, é, para ele, um objetivo inalcançável no estado presente da evolução humana. Sua meta espiritual está dentro do sistema solar, e ele é absolutamente consciente dos limites de evolução que assim lhe são colocados. Ele rejeita estritamente as fantasias especulativas e tenta, mesmo enquanto resolve as questões mais complicadas, permanecer fundamentado na realidade e usar o bom senso na penetração intelectual dos problemas.

Ele alcançará níveis e esferas mais elevadas por meio de suas práticas mágicas altamente polarizadas, ou através de suas contemplações meditativas. Qualquer dos caminhos que ele queira trilhar é factível; se sua Vontade mais profunda prevalecer, cada esfera estará aberta a ele. Dentro dele está a decisão, mas também a responsabilidade por suas próprias ações. Ele não obedece a quaisquer sugestões ou distrações rogadas.

Ele tornar-se-á um mestre da luz superior e da luz inferior. Ele compelirá os demônios das profundezas, e os anjos da esfera mental hão de lhe servir. Se, então, seu desenvolvimento tiver progredido até aqui, ele encarará o Guardião do Umbral com um olhar claro e destemido, e Saturno abrirá a porta escura para seu servo. Um ser humano espiritual desenvolvido dessa forma considerar-se-á sempre um cidadão do mundo e não conhecerá fronteiras entre povos, raças e nações. As leis da moral e da ética existirão para ele apenas se as tiver de obedecer por razão e prudência. Como um mago treinado, ele saberá dissolver e agregar. Por causa de seu treinamento e de sua realização, ele sempre fará a coisa certa, aquela que bem o servir. Existe algo como um egoísmo sagrado – e uma base individual anarquista é capaz de criar muitas coisas novas sem nada destruir.

O conceito de lealdade à irmandade é imutável para ele, pois sabe que amortizou seu carma. Ele não teme mais o abismo. Ele trabalha enfaticamente na direção da sua próxima encarnação para novamente obrar para o progresso constante da evolução da humanidade. Portanto, ele serve ao espírito da Terra voluntariamente, e trabalha nesse sentido. A Magia Saturniana lhe proporcionará as linhas de conexão, pois ele sabe que a Terra e a Lua são servas de Saturno.

Dessa forma, ele trilha seu caminho só, através das encarnações neste planeta. Ele é feliz consigo mesmo, mas sente profunda alegria no trabalho espiritual e sempre trabalhará no sentido de uma irmandade espiritual da humanidade. Amor e amizade verdadeiros são de um valor absoluto para ele, pois sabe o quão raro são. Ele sempre tentará adaptar-se às leis da harmonia e desenvolvê-las dentro de si em uma oitava superior, porque sabe da conexão cósmica de seu próprio ego.

Este conjunto de objetivos e o desenvolvimento de sua humanidade estão de acordo com o espírito do Novo Aeon, que ascenden na Luz Uraniana-Saturniana.

Ser maduro é tudo! E é maravilhoso ser solitário em pleno gozo da liberdade.

A aplicação prática de tal cristalização espiritual é tão variada e sujeita à maturidade e à formação individual, que dificilmente poderíamos abordá-la em detalhes aqui. Cada ego deve percorrer seu próprio caminho até o final. Mas qual caminho o ser humano escolhe, como ele domina seu destino…isto depende de seus próprios critérios, desde que as leis cármicas o permitam.

Os esoteristas falam de um segredo místico do Sol, e, a princípio, soa surpreendente  que nossa Loja, em seus Graus mais elevados, como objetivo último, celebre um Culto Solar. Não somente os astrofísicos ensinam que no núcleo mais profundo do Sol há chumbo em um estado agregado superior, mas em círculos iniciáticos fala-se sobre doze esferas internas do Sol ou doze círculos de realização do Demiurgo Sol. No terceiro círculo do Sol, Saturno domina. Aí reside a origem do nascimento cósmico: durante uma poderosa explosão, ele [Saturno] foi atirado para fora com o resto da cadeia planetária. Esse é o segredo! Aquele que serve a Saturno pratica um Culto Solar e promove o retorno do Filho Perdido em um sentido místico. Portanto, nosso ritual diz: “Tu, Saturno, Irmão Secreto do Sol; Tu, segredo velado!”.

É por isso que nós reconhecemos a soberania universal do Demiurgo Saturno: porque atrás do Guardião do Umbral, está a salvação.

Pode-se dizer muito sobre esse conhecimento secreto, mas não se pode profaná-lo. Ele permanece pertencendo às Lojas iniciáticas. A ignorância dos círculos ocultistas e astrológicos comuns é aterrorizante. Eles designam Saturno como Satã e não percebem a prova de incapacidade espiritual que atiram sobre si mesmos. O conhecimento e a realização não conhecem limites, mas a estupidez delimita suas próprias fronteiras.

É provável e presumível que, no curso dos próximos milênios de história da humanidade, uma nova religião se desenvolva por completo no espírito da Era de Aquário. Em geral, os seres humanos necessitam de um impulso religioso: precisam de fé, a fim de que os instintos demoníacos, adormecidos em quase todo ser humano, sejam mantidos sob controle.

Obviamente isso não se aplica à classe alta espiritual. Mestre Therion já dizia: “Três quartos da humanidade são apenas esterco para a classe espiritual dominante”. O impulso Uraniano trará novos dogmas religiosos, que muito provavelmente trarão um novo Culto Solar, em formas completamente novas, próximas à natureza e às conexões cósmicas, fundadas no conhecimento universal. A exploração do Espaço já está acontecendo, apesar de a influência do Novo Aeon só haver começado a operar recentemente. O culto do cadáver de Jesus na cruz não pode resistir ao novo influxo Uraniano: desaparecerá como muitas outras religiões desapareceram, tal como nos ensina a história da humanidade.

Nós temos que nos acostumar a pensar em termos quase atemporais nessas contemplações hipotéticas. Milênios não significam muito na evolução com base cósmica, tão menos a duração de uma vida humana. Nações inteiras e seus cultos e religiões  desapareceram completamente ou tornaram-se registros da antiguidade remota. A história da humanidade e da cultura alcança um passado muito mais distante do que a Ciência presume e pode provar até o momento. Continentes enormes afundaram com suas culturas e religiões, como Atlântida e Lemúria.

O grande anseio pelo divino, pelo incompreensível, sempre existiu e produziu muitas formas e expressões porque não é possível entender e compreender o absoluto. Então o conceito de Deus tornou-se personificado, e um mundo de deuses se originou. Mas sem a crença dos seres humanos, os Deuses são apenas fantasmas, pois somente sua adoração e visualização lhes dá forma.

Sem dúvida os mitos e cultos estelares foram a base inicial para todas as religiões, que ainda estavam próximas da natureza, e coube à Cristandade trazer à corrente religiosa atual a ideia de um denominador personificado centralizado sob a forma de um Deus antropomorfo e único. O estudo sério da história da religião comparativa de todos os povos da Terra rende perspectivas surpreendentes, mas também percepções sobre a inadequação de todos os ensinamentos religiosos. Os Cultos Solares dos Atlantes, dos Persas, dos Arianos originais da Índia e os Cultos à Natureza dos povos primitivos eram, em seu conteúdo religioso, em seus dogmas e cultos, muito mais valorosos e ancorados no Cosmos do que as religiões modernas. Portanto, nós temos que encontrar o caminho de volta à adoração do Grande Demiurgo Sol, que é tanto Pai quanto Mãe da humanidade.

Para tanto, Saturno, o Grande Segredo do Sol, nos assiste.